Legendagem – o crime de traduzir séries

DSC09396Lendo um conceituado jornal local pela manhã, me deparei com uma matéria deveras interessante acerca das legendas e o processo de legendagem ter apresentado um ritmo acelerado no Brasil, por conta da demanda dos assinantes de TV paga em ver reduzido o período entre a disponibilização do episódio nos EUA e aqui.

Tudo estava bem até o momento em que o jornal declarou que as “legendas de blogueiros desrespeitam quantidade de texto possível de ser lido”, logo em seguida afirmou que o serviço oferecido por esse blogueiros apresentava qualidade inferior e que traduzir todas as palavras do diálogo era um “desserviço” – os legendadores “piratas” não teriam essa preocupação com a tradução acurada e a padronização da linguagem.

Entendo perfeitamente que tal periódico não possa defender a disponibilização de arquivos traduzidos e gratuitos na internet, mas achei anti-ético eles atacarem o “submundo da legenda piratasem darem o direito aos próprios blogueiros se pronunciarem. E nem eu, aqui, pretendo defender a pirataria dos episódios; mas como qualquer cidadã internética, tenho acesso à esses arquivos legendados e faço uso deste tipo de serviço.

Quem também faz uso dessa tradução pirateada deve estar familiarizado com o portal “Filmes com Legenda” –  na minha opinião o melhor lugar para se achar os mais recentes episódios de suas séries favoritas traduzidos de forma profissional. É um site simples, em formato de blog, que compila os posts por série.

O fato aqui é que o Filmes com Legenda funciona como uma empresa real de legendagem: o site recebe solicitações de legendagem, cobrança de disponibilização, de prazo para a tradução. Um simples e-mail avisa os seguidores quando há arquivos novos no site, mas vai além disso! Quando digo que o site funciona como uma empresa real, faço questão de ressaltar que existem diversos profissionais por trás da produção de conteúdo.

Ressalto aqui que existem sim “legendadores piratas” que executam um ótimo serviço, primeiramente porque eles consomem o seu próprio produto – muitos deles se iniciaram na tradução por necessidade ou por prazer em traduzir suas séries preferidas.

O jornal, à certa altura do artigo, mencionou alguns exemplos de traduções errôneas feitas em alguns episódios ou filmes; exemplos estes que chegavam a parecer erros de iniciantes, como traduzir “china” (porcelana) como China ou escrever “chefe de sushi” como a tradução para “sous-chef” (subchefe). Nesses meus anos de utilização do serviço de legendas grátis, eu já me deparei com incontáveis erros de tradução que, aos olhos de alguém que não conhece o idioma original da série, facilmente não seriam percebidos.

www.cavernaeponto.com.br

“Desserviço” é isso!

O problema é que eu também já me deparei com inúmeras traduções absurdas ao ver minhas séries favoritas na TV paga! Já tive que presenciar milhares de piadinhas sarcásticas do Grissom sumirem da fala, outras tantas ironias de Horatio Caine sairem como insultos, Melinda Gordon nunca dizendo o que ela deveria dizer pros fantasmas irem pra luz, Bridgette Dubois sendo enfatizada como uma criancinha inocente através de suas falas, as referências pop de Dean Winchester indo pro ralo.

Mas certamente o pior foi ter visto o erro de novato na legenda do segundo episódio de Boardwalk Empire, onde o personagem diz “vinte e oito” e a legenda estampa um belíssimo “vinte e dois“! Empresas profissionais de legenda, #EpicFAIL!

Se existem “legendadores piratas” capazes de estragar um diálogo de graça, existem “legendadores profissionais” que deveriam ter vergonha de distorcer diálogos e ainda ganharem dinheiro com isso!

OBS: toda e qualquer opinião retratada neste texto refere-se tão somente à colaboradora Morena Moraes. O PussyCast não incentiva o download de episódios piratas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

PussyCast © 2013 Frontier Theme