Tag: redes sociais

PussyCast 015 – Quem conta um conto aumenta um ponto

PussyCast 015 - Conta um conto - vitrine

Sua vida é um livro aberto? Você posta foto de comida/elevador/academia no instagram? Você sabe qual o seu limite de honestidade? Mentir ou omitir? Junte-se à Ira Croft e Morena Moraes nessa busca infindável pela verdade verdadeira, cruzando o mar de mentiras que são as redes sociais e os excessos de felicidade descarada de gente que na verdade é tristíssima.

 Comentados nesse episódio:

  • Hipercompartilhamento ou oversharing é um conceito relativamente novo, por conta das redes sociais. Veja a definição do termo no Wikicionário.
  • As psicólogas e psicoterapeutas Karen Vogel, Mayra Bio R. Faske, Lana Harari e Fátima Protti acreditam que nem sempre é necessário compartilhar tudo com o parceiro, e elas são terapeutas de casal!

Reproduzir

Tubby é proibido no Brasil antes mesmo do lançamento

Nem estreou e já foi proibido! | Imagem: Tubby/Reprodução

Na última quarta-feira, a 15ª Vara Criminal de Belo Horizonte proibiu o lançamento e o uso do Tubby, o aplicativo “revanche” que permitiria avaliar as mulheres do Facebook. A ordem emitida prevê uma pena diária de R$10 mil caso a decisão seja descumprida, coitados dos desenvolvedores!

O juiz Rinaldo Kennedy Silva, da Vara Especializada de Crimes Contra a Mulher da capital mineira, foi quem deu o veredito com a proibição de disponibilização do aplicativo tanto na GooglePlay Store quanto na AppleStore. Além disso o Facebook e a equipe de criação do Tubby também estão proibidos de disponibilizarem publicamente o app.

Após ter recebido o pedido de ação promovido por algumas entidades feministas – como a Marcha das Vadias e o Movimento Mulheres em Luta – e embasado na Lei Maria da Penha, o juiz entendeu que o aplicativo poderia submeter as mulheres à violência psicológica.

“A informação na internet se propaga muito rápido. Depois que o estrago está feito é difícil ou quase impossível de reparar”, disse a advogada e integrante do movimento coletivo Margarida Alves, Fernanda Vieira Oliveira.

O Lulu continua firme e forte… agora é só esperar o kissuco ferver nas redes sociais! 😉

PinSex: porque ele é o futuro do “social porn”

A maioria das redes sociais não permite a exibição de conteúdo adulto – a maior delas, o Facebook, tem uma política rígida em relação à isso, bem como o Instagram e o Tumblr – e a indústria do sexo percebeu uma grande perda de espaço nessas ferramentas sociais.

Visando essa parcela do mercado necessitado, Christian Thorn (CEO da Pin-Digital) resolveu investir em sua própria rede social que está revolucionando o mundo das putarias online: conheça o PinSex.

sexpiration

Assim como a plataforma Pinterest, os usuários do website podem criar suas próprias coleções de imagens, seguir outros usuários (e milhares de estrelas pornôs) e procurar imagens por categorias, como ‘amador’, ‘pau grande’, ‘Euro’, ‘emo’, ‘porra’ e ‘orgia’. Eles também podem carregar e distribuir seus próprios vídeos caseiros dentro do PinSex e comprar brinquedinhos diretamente pelo site.

Mas o PinSex chegou um pouco atrasado nessa leva de redes sociais pornôs. UM ANO ATRASADO, diga-se de passagem. E porque tem feito tanto sucesso? Simplesmente pelo fato de que sua dinâmica e suas ferramentas são melhores desenvolvidas para os fapeiros de plantão. Você pode criar pins de maneira anônima!!! \o/

E mais, quem frequenta sites como PornTube, Xvideos, e RedTube, sabe que a quantidade de propaganda é alarmante. Você entra pra ver umas MILFs num ménage e recebe uma tripla penetração gay na cara; e é justamente isso que o PinSex não faz: a plataforma em formato de Pinterest permite que você só veja conteúdo relacionado aos seus interesses sexuais, sem spam e coisas pulando na sua cara e sem ter como fechá-las. Mais um ponto pra eles! 😉

Confira o vídeo de divulgação da rede PinSex.

PussyCast © 2013 Frontier Theme